A história da Revista

Por Carlos Bosco e Renan dos Santos

A primeira revista surgiu na Alemanha, em 1663, e possuía um nome tão comprido, que certamente deu muito trabalho para ser encaixado na capa: Erbauliche Monaths-Unterredungen, algo como “Edificantes Discussões Mensais”. Não é por acaso que a história das revistas tenha começado na Alemanha. Foi lá que, 200 anos antes dessa publicação pioneira, o artesão Johannes Gutenberg desenvolveu a impressão com tipos móveis, técnica usada sem grandes alterações até o século 20 para imprimir jornais, livros e revistas.

Com a invenção de Gutenberg, panfletos esporádicos – que podiam, por exemplo, trazer relatos sobre uma importante batalha – passaram a ser publicados em intervalos cada vez mais regulares, tornando-se embriões das primeiras revistas dignas desse nome, ou seja, um meio-termo entre os jornais com notícias relativamente recentes e os livros. Além da Erbauliche alemã, outros títulos apareceram ainda no século 17, como a francesa Le Mercure (1672) e a inglesa The Athenian Gazette (1690).

Nessa época, as revistas abordavam assuntos específicos e pareciam mais coletâneas de textos com caráter puramente didático. No início do século 19, começaram a ganhar espaço títulos sobre interesses gerais, que tratavam de entretenimento às questões da vida familiar. É nesse período também que surge a primeira revista feita no Brasil: As Variedades ou Ensaios de Literatura, criada em 1812, em Salvador, e que, na verdade, tinha muito mais cara de livro, abordando temas eruditos. Poucas décadas depois, em 1839, nasceria a Revista do Instituto Histórico e Geographico Brazileiro. Incentivando discussões culturais e científicas, ela é a revista mais antiga ainda em circulação no nosso país.

No século 20, com o aprimoramento das técnicas de impressão, o barateamento do papel e a ampliação do uso da publicidade como forma de bancar os custos de produção, as revistas explodiram no mundo todo, com títulos cada vez mais segmentados, destinados a públicos com interesses superespecíficos.
Aqui a data e a a origem das revistas mais conhecidas no mundo atualmente

1693 – LADIE’S MERCURY
O jornalista inglês John Dunton foi responsável por essa pioneira revista feminina, um segmento que faria grande sucesso. Três anos antes de lançá-la, Dunton havia editado a Athenian Gazette, destinada a responder “todas as questões curiosas” – A Athenian deu experiência a Dunton para preparar uma publicação dedicada ao “belo sexo”

1842 – THE IlLUSTRATED LONDON NEWS
O inglês Herbert Ingram acreditava que revistas ilustradas seriam um sucesso comercial. Sua publicação semanal The Illustrated London News provou que ele estava certo. Ela foi a primeira revista a utilizar gravuras para acompanhar o texto dos artigos. A inovação inspirou outras revistas ilustradas na época. À esquerda, uma capa da London News de 1953

1888 – NATIONAL GEOGRAPHIC
Publicada até hoje, é uma das revistas científicas mais importantes do mundo, financiando expedições e explorações. Foi uma das primeiras a publicar fotos coloridas, além de ser pioneira em vários tipos de imagens, como do fundo do mar, do espaço e de animais selvagens.

1928 – O CRUZEIRO
Uma das revistas mais importantes do Brasil. Foi fundada pelo jornalista Assis Chateaubriand. O primeiro número da Cruzeiro – ainda sem o “O” – teve tiragem de 50 mil exemplares, trazendo contos e, principalmente, grandes reportagens, ilustradas com desenhos e fotografias.

1731 – THE GENTLEMAN’S MAGAZINE
Publicada na Inglaterra por Edward Cave, é considerada a primeira revista moderna. A maior parte de suas páginas era dedicada ao entretenimento, incluindo ensaios, textos de ficção e poemas. Mas havia ainda comentários políticos e críticas. Foi a primeira vez que a palavra magazine foi usada para esse tipo de publicação.

1892 – VOGUE
Inicialmente, essa revista americana, fundada por um editor aristocrata chamado Arthur Turnure, era dedicada aos luxos e prazeres da vida, além das reportagens sobre moda, é claro. O público alvo da Vogue era a rica elite da cidade de Nova York do final do século 19. Sua reputação como bíblia da moda se mantém até hoje

1936 – LIFE MAGAZINE
Fundada pelo editor americano Henry Luce, ela foi a revista mais importante e influente da história do fotojornalismo. Para se ter uma idéia, sua primeira edição tinha 96 fotografias de página inteira. A publicação deixou de circular semanalmente em 1972.

1855 – LESLIE’S WEEKLY
Foi uma das primeiras revistas americanas a utilizar ilustrações. Na segunda metade do século 19, tinha uma circulação média de 100 mil exemplares. Entretanto, esse número triplicava de acordo com o assunto tratado na edição. Durante a Guerra Civil Americana (1861-1865), a publicação inovou, mandando 12 correspondentes para cobrir o conflito.

1925 – THE NEW YORKER
Fundada pelo editor americano Harold Ross, ficou famosa pelo humor e pela qualidade dos textos literários. Ela começou tratando da vida cultural e social de Nova York, mas logo abriu espaço para críticas, textos de ficção e reportagens. Entre seus colaboradores estão grandes escritores do século 20, como Dorothy Parker e J.D. Salinger. Nos dias de hoje a informação não para, a revista foi um grande avanço para o jornalismo, carreiras se criaram a partir dela, com revistas dedicadas a um tema especifico, seja ele, moda, games, tecnologia, fofoca entre muitos outros existentes.

Mas houve um aprimoramento nisso, com a velocidade da tecnologia e informação e para não perder seus leitores muitas revistas para não dizer todas. se adaptaram a isso, tendo sua forma digital, isso significa que a qualquer lugar, usar um tablet para ler sua revista vem se tornando cada vez mais comum.

Essa adaptação não é simples, com noticias saindo a todo momento muitas acabam não sendo mais considerada novidade para o leitor, fazendo ele não compra-la por ter noticias já lidas por ele na internet. Então o que fazer para que isso não aconteça, correr sempre atrás novidades especiais, noticias exclusivas entre milhares de otras coisas para prender o leitor e chamar sua atenção, sem perder espaço para outros meios de comunicação!

33 respostas em “A história da Revista

  1. No começo de sua criação a revista era usada apenas para assuntos específicos, só mais tarde tomou espaço com assuntos diversificados e de interesse público. Nota-se que ela passou por modificações ao longo dos anos, pois logo após sua “invenção” o conteúdo abordado era mais parecido com o dos livros do que com revistas, o que hoje é quase impossível, pois em sua maioria as revistas abordam assuntos corriqueiros que muitas das vezes acabam se tornando supérfluo.

  2. assim como o jornal a revista tem história bonita, mas a internet como diz no final do texto esta fazendo com que modificações sejam feitas para que não “morra” o impresso.
    gostei dos dados sobre as revistas, algumas eu sabia mas outras não tinha ideia.

  3. Nos dias de hoje a informação não para, a revista foi um grande avanço , onde os escritores e editores podem nos contar, o que acontece desde uma novela ate um assunto muito importante para o Mundo todo.No começo as revistas abordavam somente os assuntos específicos e pareciam mais coletâneas de textos didáticos,enfim a revista é um método mundo importante para a comunicação!!!!

  4. A revista se tronou um atrativo a mais na comunicação, repleta de propagandas, fofocas, receitas, de tudo um pouco. Quem nunca pegou uma revista só para ficar vendo as fotos? Talvez por muitas vezes serem lançadas mensalmente ou semanais, são deixadas de lado por algumas pessoas mais preguiçosas. Mas muitas vezes contém muitas informações a mais do que em outros meios impressos.

  5. Revista uma extensão do jornal só que de modo mais dinâmico e atrativo, abordando tematicas diversificadas e trazendo além de várias ilustrações um conteúdo mais rico em propagandas. Ainda tem uma grande circulação e mercado, mais tende a ser substituida pelo mobile.

  6. Interessante nos dias de hoje, ter assuntos mais diversificados, para uma abrangência melhor de público, diferentemente do começo de tudo, que eram revistas específicas com um publico meio que certeiro ja pra época. Acho que revistas são que nem jornais, só que trazendo notícias mais dinamicas, mais gerais, que englobam contextos diversificados, diferentemente do jornal por exemplo que já se é noticias diárias, com compras e vendas de acessorios, ou algo do tipo. Ótimo trabalho o deles.

  7. Não sabia que a revista era tão antiga, 1693 com Ladie’s Mercury, a National Geographic, Vogue. As revistas trazem conteúdos diversos e o leitor escolhe aquele por qual se interessa mais, também com interatividade, opinando nos assuntos que gostaria de ver. O formato digital pode ser bastante usado, mas o impresso ainda é o principal.

  8. O uso da publicidade nas revistas é certamente algo vital para sua existência, além de encherem os olhos com modelos e fotografias maravilhosas (claro que não cabe aqui propagandas que causam vergonha alheia). Muito bom descobrir como surgiu a belíssima ideia de ilustrações e gravuras nas revistas. Engraçado como até hoje a Vogue se sustenta no luxo e nos prazeres da vida, que são justamente os aspectos que me atraem na revista; não gosto de lê-la, mas adoro o modo de como é para mim um verdadeiro entretenimento para os olhos, tudo muito lindo e integrado em uma realidade completamente distante da minha. Dependendo do ponto de vista torna-se até deprimente, já que denuncia a moda na forma mais cruel de indústria cultural. A revista Life infelizmente agora tem de ser garimpada. Quanto ao uso dos tablets como um recurso para o acesso à revista, é mais uma coisa que me irrita profundamente! Quem gosta de revista, não gosta só do seu conteúdo, mas sim do cheiro, do tipo de papel, sua textura e suas cores, assim como livros e jornais. É tão difícil de entender? Fácil é perceber que são tempos difíceis para os que ainda apreciam o que há além das telas sem graça, sem cheiro, todas iguais. Acho que estou ficando velha.

  9. Existem diversos tipos de revistas, que abordam variados assuntos. Acho no entanto que ela parece bastante com o jornal impresso, pois ela também divulga notícias, só que com mais vivacidade, usando mais de imagens. As revistas trabalham mais em cima de propagandas, e carregam mais entretenimento. Além de existirem vários modelos delas, de acordo com o seu publico.

  10. No começo a revista tinha um nome bem longo e podemos notar que passou por várias modificações. No início tratava de assuntos mais específicos, depois os assuntos eram mais didáticos e parecidos com livros. Hoje as revistas estão no meio termo e abordam vários assuntos, que interessam pessoas de diferentes culturas e de diferentes maneiras.

  11. Assim como o jornal, a revista tem que correr atrás de novidades o tempo todo. Antigamente, basicamente todas as revistas falavam sobre os mesmos assuntos. Sua intenção era dar informações políticas. Mas com o passar do tempo, cada revista foi se especializando em um só tema, como por exemplo a Vogue que atrás as novidades sobre moda.

  12. A revista é uma forma dinâmica de interagir com o leitor, apesar de antigamente ser apenas publicados assuntos específicos, hoje em dia ela é variada, porem ela é destinada a um publico alvo que assina mensalmente ou compra em uma banca por assuntos de seu interesse, está cada dia mais forte nas propagandas.

  13. A revista é utilizada hoje por varias pessoas em todo o mundo e nunca sai de moda pois cada uma tem seu diferencial e atinge pessoas de varias classes sociais por levar ao leitor exatamente a informação que o interessa tendo seu foco no leitor e nao na noticia em sí.

  14. Uma cópia do jornal rs, porém com tamanho reduzidos e números de páginas aumentados. A revista é normalmente sempre foi mais consumida pela classe média alta, por conter informações que não são de interesse do “povão”, ou da classe média baixa, e baixa. Também está com os dias contados, assim como o jornal, mas teve um grande marco na história.

  15. A revista é utilizada por todas por conter várias informações de diferentes fatos cada revista aborda um assunto e assim fica mais fácil escolher o assunto a ser lido.

  16. sua maior importância está na segmentação.Significa basicamente atender uma demanda muito específica quanto à informação que você traz na revista. Há revistas para mulheres, para homens, adolescentes, meninas, meninos, esportistas, para os fanáticos por cinema, fanáticos por música, e etc. A mídia revista tem o maior leque possível de abrangência com informações.

  17. Pra variar, a Revista também foi lançada na Alemanha muito impulsionada por Guttenberg centenas de anos antes com a invenção da prensa e do jornal. é através de tanto desenvolvimento que hoje, mesmo com praticamente todos possuindo o livre acesso sobre esse meio é evidente que a revista é uma mídia pouco utilizada pelas pessoas e até vista como um estilo social um pouco mais elitista. As grandes marcas e gêneros de revistas como a Vogue,por exemplo vem desde praticamente a sua invenção até hoje aumentando seu número de leitores e desenvolvendo agora de maneira digital inovações que atraem mais o público, demonstrando que nada deve parar no tempo.

  18. Quando penso em revista, vem a mente aquelas mulheres nos salões de cabeleireiro lendo as revistas de moda. E realmente é um meio de informação e entretenimento bastante usado até hoje. Adoro ler revistas e pra mim jamais será substituída.

  19. usada pra propaganda, noticias e idéias a revista é um meio de comunicação muito utilizado hoje em dia, mas se atualizando na internet pra não ‘ficar pra tas’

  20. Sinceramente,não sou de ler muitas revistas,mas elas são importantes para se exercitar a leitura, apresentas diversos conteúdos,sem contar que existem revistas específicas para cada assunto,o que facilita na procura do conteúdo
    Acredito que com o tempo irá perder espaço no mercado,mas pra quem gosta são itens interessantes para uma coleção…

    • O bom das revistas,são que as reportagens em si apresentam muitas imagens também,as vezes uma simples foto pode clarear mais as coisas do que um grande texto.

  21. Revista como não ler quando se entra em um consultório médico ou em um salão de Beleza, um meio de entretenimento e de market. Podemos notar que temos revista para todos gosto, de todos os assuntos e jeitos, um meio de comunicação que permanecera bastante tempo em nosso meio.

  22. Criada por volta do seculo 17 na Alemanha, a revista trouxe a junção entre jornais e livros. Hoje, as revistas tratam de vários assuntos e temas diversificados, importando conteúdo de vários lugares e redimensionando em uma unica peça. Usado muito também para inserção de anúncios publicitários.

  23. Abordava primeiramente assuntos específicos e com o passar do tempo foi mudando,surgindo revistas com ilustrações, humor, textos literários, e fins jornalisticos.

  24. na minha modesta opinião, a revista é um complemento na comunicação, trás informações complementares de diversas categorias, sendo um meio mais popular do público feminino.

  25. A revista é informativa de uma forma especifica em diversos assuntos e temas, é isso que a faz ser um meio termo entre jornais e livros, e atinge um publico com interesse apenas no segmento ao qual a revista se refere.
    O surgimento da publicidade impulsionou uma maior circulação às revistas.

    • Explicar a evolução de um meio de comunicação através de exemplos, e como conclusão trazer a situação da revista para o cenário atual, ao meu ver, foi uma forma eficaz de facilitar não só a leitura do texto, mas também o entendimento do assunto.

  26. Através dessa pesquisa conseguimos enxergar a mudança no conteúdo das revistas , que primeiramente tinha uma linguagem didática e educativa e hoje na maioria da vezes é vista pelo entretenimento e diversidade de assuntos que vai desde o publico infantil passando pelos adolescentes até os adultos. E focando em leitores específicos, uma mídia que atinge todos os cidadãos pela fácil leitura e interpretação, fato que evidencia o mercado milionário desse segmento.

  27. Podemos perceber que tanto no jornal como na revista, as mudanças com o passar do tempo foram bem visíveis, ou seja, a revista foi se adaptando a sociedade, abordando diferentes tipos de assuntos, assim com o jornal, mas sendo algo mais interativo. Sempre gostei muito de revistas, mas nunca havia parado para procurar saber mais sobre, achei muito legal o trabalho, principalmente a evolução da mesma.

  28. Acho que a revista é um produto fascinante… Não são todas!
    Suas noticias são floreadas e vendem um mundo singular, feito especialmente para você. E isso se intensifica, dependendo de sua linha editorial. Gosto de ir a uma banca e ficar olhando suas capas e desconfiando de seu conteúdo. As de celebridades, artistas e fofocas, por exemplo, não me interessam muito, são cheias de photoshops e dietas que não funcionam. Mas há também, aquelas tradicionais, compostas por conceitos relevantes, que buscam analisar intrinsicamente os fatos e expor com ineditismo, o que não vemos com facilidade no mundo digital, já que é tão veloz.

  29. Trabalho super informativo, contando tudo de importante e relevante sobre as revistas, mostra coerência e coesão, boa colocação das palavras e com um ótimo desfecho.

  30. Novamente Johannes Gutenberg aparece para revolucionar um meio de comunicação, com o mesmo recurso, suas máquinas de impressão. O trabalho está bem explicando muito bem a história da revista. A linha do tempo descrevendo as importantes revistas ficou ótima.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s