A história do CD

Por Gabriela Grigoletto e Rafaela Pires

O ser humano não vive sem música: nos seus mais variados estilos, com motivos religiosos ou não, a música sempre se faz presente em todas as culturas.

Desde tempos imemoriais, o Homem utiliza a música como forma de expressão e refinamento do espírito, e os grandes compositores possuem um reconhecimento atemporal, nunca saem de moda.

Mas antigamente a musica era limitada. Nos séculos passados, a solução era ir às grandes cidades para apreciar os shows dos compositores, ou então improvisar rodas de cantigas nos famosos serões.

Depois, o rádio trouxe a música para mais perto das pessoas, e popularizou os cantores, que antes só possuíam sucesso regional na maioria das vezes. O disco também teve um importante papel neste processo.

No entanto, embora fosse mais fácil popularizar a música com os discos, estes possuíam uma quantidade limitada de músicas que podiam ser gravadas.

As fitas cassete vieram e deram um novo fôlego para a indústria fonográfica. No entanto, o ciclo de vida curto das fitas (elas estragavam com facilidade, e às vezes eram “mastigadas” pelo toca-fitas) fez com que logo elas fossem substituídas.

E desta vez, o substituto veio para ficar, pelo menos por um bom tempo: o Compact Disc, ou simplesmente CD para os íntimos.
O CD foi um padrão definido pela Philips em conjunto com a Sony, em 17 de agosto do ano de 1982. A partir de então, o CD dominou o cenário musical.

O tempo de execução que o CD deveria suportar foi definido como 74 minutos. O motivo? É que um CD deveria ser capaz de armazenar a obra prima da música, a ”Nona Sinfonia de Beethoven”. E assim este se tornou o padrão mundial do CD.

A empresa Polygram foi empresa importante para o processo de desenvolvimento do CD, inclusive porque foi a empresa que forneceu a gravação da “Nona Sinfonia de Beethoven”, que definiu não só o tempo de execução do CD, mas até seu tamanho – o CD deveria ter apenas 11,5 centímetros de diâmetro e executar até 60 minutos de música.

Com a adaptação do tempo para tocar Beethoven, mais faixas tiveram que ser adicionadas ao disco e conseqüentemente, seu tamanho aumentou para 12 centímetros de diâmetro, tamanho e duração que se mantém ate hoje.
Existem outras versões para a definição do tamanho do CD, mas esta é bem plausível. Afinal, um tamanho tinha que ser definido e o critério foi incontestável.

O primeiro CD gravado e lançado industrialmente também levou outro clássico: uma seleção das valsas de outro compositor clássico, Chopin. As composições foram interpretadas por Claudio Arrau, pianista chileno.

25 respostas em “A história do CD

  1. Depois da fita cassete o cd veio com tudo e no ínicio muitos desacreditavam que ia dar certo. Pois é deu mas seu futuro é contado e cada vez mais vemos pessoas que preferem outras formas de ouvir música

  2. O sucessor da fita cassete e possivelmente o antecessor da mídia Blu-Ray.
    Aumentou a praticidade e a capacidade de armazenamento, a digitalização revolucionou a indústria fonográfica. Foi um marco importante na sequência iniciada pelo Vinil, passando pelas fitas Cassete.

    • Faço um adendo ao meu comentário.
      Comentei o que conheço sobre a história do CD, pois não consegui visualizar o texto para a interpretação.

  3. O CD abriu as portas para o que há de mais recente em termo de mídias, tanto em capacidade de armazenamento como em qualidade de reprodução e gravação.

    • Além disso, o CD, foi necessário pelo desenvolvimento que ocorria na época em que foi criado, pois havia muita dificuldade no funcionamento da fita cassete que hora ou outra estragavam, e eram mastigados pelo rádio. A facilidade que pode ser notada após essa invenção foi significativa, pois, para alguém acompanhar um show ou um musical deveria viajar e assistir aos mesmos ao vivo, e o CD revolucionou essa ideia, trazendo ao público muito mais comodidade, conforto e interesse.

  4. Uma das midias mais importantes criada com a ideia de se organizar com melhor desempenho qualquer tipo de arquivo. A partir dele outras midias uteis foram criadas..

  5. Uma mídia de gravação que é usada até hoje,normalmente usado para gravações de musicas,permite também a formatação MP3,onde várias musicas podem ser colocadas em uma única unidade.

    • O cd para mim nada mais é que uma miniatura do Vinil,eu ainda acho que o vinil era mais elegante,porque diversas bandas em seu auge gravavam seus álbuns em vinil,mas o cd te garante muito mais compactação e facilidade de gravação.

  6. O CD também muito utilizado nos dias de hoje para gravações de músicas, ou até dados, tendo como facilidade diversos “tamanhos de CD” para armazenamento de dados de tamanhos pequenos até os mais complexos que ocupam mais espaços

    • Além da capacidade de armazenamento o CD também tem uma durabilidade muito grande quando conservado de uma forma correta.

  7. Muito usado para registrar arquivos, e uma ferramenta importantíssima para profissionais da área da música!

    • O CD revolucionou tanto a indústria fonográfica coma a tecnológica. No mercado gerou mais lucros e foi bem aceito, já que substituiu a fragilizada fita cassete. Foi assunto em mídias por um período considerável e se espalhou rapidamente entre os consumidores de todas as classes, por ser um produto com preço acessível. Até mesmo o CD pirata contribuiu para essa popularização. E por fim, trouxe praticidade e qualidade até um determinado período, pela incursão da internet nesse campo.

  8. O CD está ficando de lado nos dias de hoje pois as pessoas estão usando o pen-drive onde elas podem gravar mais músicas e organiza-las em pastas.

  9. O cd na minha opinião foi uma da invenções mais preciosas pois neles podemos armazenar vario documentos, e este armazenamento digital quando lançado foi um dos mais utilizados em relação ao armazenamento do papel.E a cada dia vai se evoluindo cada vez mais com a tecnologia.

  10. Muito interessante a explanação dos parâmetros do CD serem baseados na Sinfonia de Beethoven. Não tinha conhecimento disso. E a parceria entre Sony e a Philips também merece todos os méritos, não é a toa que revolucionou toda uma indústria e modificou costumes de toda uma geração.

  11. Muito legal a parte da parceria entre a Philips e a Sony, não sabia que foram as pioneiras no projeto. O legal é que até pouco tempo atrás o CD ainda era muito popular, só que perdeu espaço para as vendas virtuais no caso iTunes entre outros meio de comprar legais. Legal também é a empresa responsável sobre o fornecimento da Nona Sinfonia de Beethoven. Só acho que poderia ter mencionado mais detalhes sobre o tema.

  12. De fácil leitura e com informações bastante interessantes, conta através de curiosidades a história da evolução do CD.

  13. O CD é muito usado, mesmo com todas as formas de ouvir músicas que temos hoje em dia. Trabalho curto mas explicou e esclareceu bem o assunto.

  14. O CD foi muito importante pra revolucionar o mundo da musica, e não só pra isso, nele podemos armazenar arquivos e todos os tipos e leva-los conosco.

  15. CD vida útil até a próxima tecnologia, apesar do CD ter salvo muitos trabalhos, músicas, a “vida” deste está sendo como coloquei extinta pelas novas tecnologias como o Blu-ray.

  16. Ótimo trabalho, abordou o tema de maneira simplificada e objetiva. O CD melhorou o processo de gravação das músicas, e também servia para armazenamento de dados.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s